Entretenimento

1 08/11/2017 16:30

A empresa que cuidava da segurança pessoal de Mariah Carey está ameaçando processar a cantora por assédio sexual, humilhação e quebra de contrato. As informações são do site de notícias norte-americano TMZ. Segundo a empresa, a artista de 47 anos constantemente constrangia o guarda-costas que a acompanhava, Michael Anello. Ainda de acordo com as acusações, ela o chamou de "nazista", "skienhead", "supremacista branco" e membro dos grupos de ódio como o Ku Klux Kan (KKK). 

"Ela queria estar cercada de homens negros, não brancos", afirmou o segurança ao site. Além disso, a empresa teria prestado serviço para Mariah por quase dois anos, de junho de 2015 até maio de 2017, com pagamento acertado em US$ 221,329 mil, e deveria estender o contrato pelo mesmo período, adicionando US$ 511 mil à soma, o que não ocorreu. As acusações de assédio sexual implicam que a popstar tenha cometido "atos sexuais com a intenção de que fossem vistos por Anello". 

Mariah teria ainda pedido que ele fosse ao seu quarto mover uma mala durante uma viagem a Cabo San Lucas, no México. Ao chegar lá, ele se deparou com a artista vestida apenas com um roupão transparente aberto. Anello afirma que teria tentado deixar o quarto, mas ela insistiu que ele removesse a bagagem. Apesar da insistência, não teria havido contato físico na ocasião e o funcionário conseguiu deixar o quarto. O TMZ informou que a equipe de Mariah está acertando o pagamento de indenizações contratuais, mas não tem nada a declarar sobre as acusações de assédio.

Correio
Foto: Reprodução







Rua Tiradentes, 30 – 5-º Andar – Edf. São Francisco – Centro - Santo Antônio de Jesus/BA. CEP: 44.571-115
Tel.: (75) 3631-2677 | 3631-2924 | 3631-9500 | 9 9968-9004 (Whatsapp) - Definitivamente a melhor.
© 2010 - Rádio Andaiá FM - Todos os direitos reservados.